Sobre o Câncer de Mama

Principais Recomendações

Mamografia – anualmente após os 40 anos.

Exame clínico das mamas – a partir dos 20 anos como parte do atendimento médico integral da mulher.

Autoexame – mensalmente, de sete a dez dias após o início da menstruação, quando as mamas estão menos sensíveis. Para as mulheres que não menstruam mais, deve-se escolher um dia no mês.

Ultrassonografia – é indicada em casos específicos como exame complementar, particularmente em mulheres jovens, à procura de cistos ou nódulos ou, ainda, para diferenciá-los. Também permite orientar procedimentos como punções e biopsias.

Dicas de hábitos de vida saudáveis

Tenha uma dieta alimentar saudável, com variedade de frutas, legumes e verduras. Diminua o consumo de produtos que tenham gordura animal.

Faça um prato bem colorido. Pratique atividades físicas. Pelo menos quatro a cinco horas semanais, em intensidade leve ou moderada, desde que não exista contraindicação.

A obesidade é uma doença relacionada principalmente aos maus hábitos alimentares e ao sedentarismo. O excesso de peso aumenta os riscos de desenvolvimento de tumores.

Evite o consumo de cigarro e bebidas alcoólicas. Não faça uso de hormônios e anticoncepcionais sem o devido acompanhamento médico.

Dr. Fernando responde

1. Por que é tão importante você saber a respeito do câncer de mama?

Porque é o câncer mais comum entre as mulheres e se for diagnosticado em estágio inicial, pode ter cura. Se não for tratado pode se alastrar para órgãos vitais como ossos, pulmão e fígado e levar a morte.

2. Quais os fatores de risco para o câncer de mama?

– Histórico familiar (mãe, irmã, tia e/ou avós com câncer de mama).
- Não amamentar.
- Começar a menstruar muito cedo e parar muito tarde.
- Falta de atividades físicas e estar acima do peso.
- Consumo de bebidas alcoólicas.

3. Homens também podem ter câncer de mama?

Sim. O câncer de mama em homens é menos comum do que em mulheres, mas possui as mesmas possibilidades de cura quando diagnosticado precocemente.

4. Como prevenir?

 O câncer de mama é de difícil prevenção, pois é uma doença ligada ao histórico familiar e aos hábitos de vida. A grande arma que temos nas mãos é o diagnóstico precoce, ou seja, descobrir o tumor quando ele ainda é pequeno. O ideal é diagnosticá-lo com menos de um centímetro, o que possibilita a cura em 90% dos casos. Se você descobrir qualquer alteração em suas mamas, consulte um médico.

5. O que causa o câncer de mama?

São muitos os fatores relacionados ao câncer de mama. Dentre os principais podemos citar:
- idade: quanto maior a idade, maior o risco. A maioria ocorre a partir dos 60 anos, porém a partir dos 40 anos já notamos um considerável aumento. Antes dos 30 anos é muito raro;
- hábitos de vida: sedentarismo, obesidade, alto consumo de carne vermelha, baixo consumo de frutas, hortaliças e legumes e consumo de qualquer quantidade de álcool estão relacionados ao aumento do risco do câncer;
- antecedente de doenças mamárias com atipias celulares;
- história familiar: quanto maior o número de familiares, mais próximo o parentesco e idade mais precoce do diagnóstico da doença, maior o risco de o câncer ter algum fator genético relacionado e, assim, maior o risco de desenvolvimento do câncer;
- fatores hormonais: primeira menstruação precoce, menopausa tardia, não amamentar;
- outros: exposição a radiação

6. O câncer é sempre um caroço? Ele dói?

A maioria dos caroços da mama são benignos, isto é, não são câncer. O câncer em fase inicial geralmente não apresenta nenhum sinal, só é detectável por algum tipo de exame, principalmente mamografia, e não dói. A doença pode mostrar diversos sinais como vermelhidão, inchaço, retração da mamilo, coceira, ferida, saída de sangue ou água cristalina pelo bico da mama e presença de algum caroço. Dor em geral aparece em casos mais avançados do câncer.

7. Mamas grandes têm maior risco de câncer? É normal ter uma mama maior que a outra?

O tamanho das mamas é uma herança familiar, isto é, geneticamente determinado e normalmente o tamanho delas é um pouco diferente. O volume das mamas não está relacionado a maior ou menor risco de ter câncer. O que pode alterar o volume delas é gravidez, amamentação e aumento/diminuição de peso. O câncer raramente causa aumento das mamas.

8. O câncer de mama é hereditário? Se algum parente tiver eu também terei?

Não necessariamente. O câncer de mama pode ser hereditário, porém somente 10% dos casos estão relacionados a esse fator. A maior parte dos cânceres hereditários estão relacionados a mutação dos genes BRCA1 e BRCA2. Deve-se desconfiar de câncer hereditário quando existem várias pessoas da mesma família com câncer de mama, ovários, intestino, pâncreas, próstata, dentre outros e acometimento de pessoas em idade mais jovem. Câncer de mama em algum homem na família e câncer de mama bilateral em alguma parente próxima também chama a atenção para esse fator.

9. Na minha família não existe nenhum caso de câncer. Isso significa que eu estou livre de ter câncer de mama?

Infelizmente não. O câncer de mama é multifatorial (ver pergunta 1). Somente uma pequena porcentagem dos casos está relacionada à predisposição familiar. A maioria é esporádico e o risco aumenta com o envelhecimento, uso de hormônios, obesidade, sedentarismo, má alimentação e consumo de álcool.

10. Não estou amamentando, mas está saindo um líquido parecido com leite do meu mamilo. Pode ser câncer?

Provavelmente não. A galactorréia, saída de leite pelo mamilo fora da época da amamentação, pode ser um sinal de desregulação hormonal, mas não está relacionada ao aumento do risco de câncer de mama. Esse tipo de preocupação deve existir quando existe a saída de sangue ou um líquido translúcido por um dos mamilos. Nesse caso, a avaliação e investigação são necessárias.

11. Antes da menstruação minhas mamas ficam inchadas e doloridas e palpo vários caroços moles que às vezes desaparecem. Isso é preocupante? O que devo fazer?

Esses sinais são muito comuns no período pré-menstrual. Nessa fase do ciclo menstrual há um predomínio do hormônio progesterona que é o responsável por essas alterações. Os caroços amolecidos que podem aparecer nesse período são frequentemente cistos simples que desaparecem ou diminuem de tamanho após o término da menstruação. Porém se o nódulo é persistente, endurecido, pode estar relacionado a alguma alteração mais grave. Em caso de dúvida, procure um médico para esclarecimento.

12. O câncer de mama tem cura?

Sim, com certeza. Hoje em dia com os variados tipos de cirurgia, avanço da radioterapia, da quimioterapia e da hormonioterapia a cura é uma realidade. Quando descoberto em fase inicial (até 1 cm), existe mais de 90% de chances de cura. Mesmo quando descoberto em fase mais avançada (5 cm ou mais), as chances de cura também existem (cerca de 30%). Em câncer de mama o mais importante é o diagnóstico precoce: quanto antes for descoberto o câncer, maiores são as chances de curá-lo.

13. Amamentar protege contra o câncer de mama?

Sim, vários estudos comprovaram que a prática é um fator de proteção contra o câncer de mama. Quanto maior o tempo de amamentação, maior a proteção.
Amamentar por 12 meses continuamente pode reduzir em até 5% o risco de desenvolver o câncer.
Vale ressaltar que amamentar não impede o surgimento do câncer, mas diminui o risco de ele se desenvolver.

14. Fumar e beber bebidas alcoólicas causam câncer de mama?

O consumo de bebidas alcoólicas é um fator associado ao aumento do risco de desenvolvimento de câncer de mama há muito tempo já conhecido e cientificamente comprovado. Em relação ao cigarro, muitos estudos foram inconclusivos, porém estudos dos últimos 5 anos tendem a demostrar o aumento do risco de desenvolvimento do câncer de mama em mulheres que iniciam o hábito antes da primeira gestação ou que fumam há muito tempo.

15. Usar sutiã apertado aumenta o risco de câncer de mama?

Não existe nenhuma relação entre o uso de sutiã apertado e o surgimento do câncer de mama.

16. Mulheres obesas tem maior risco de câncer de mama?

Sim, mulheres obesas apresentam maior risco de desenvolvimento do câncer de mama, principalmente nas que se encontram na pós-menopausa. Além de terem maior predisposição ao câncer, apresentam piores chances de cura quando comparadas as mulheres com peso adequado.
Dieta balanceada e exercícios físicos regulares (4 a 5 horas/semana) podem reduzir em até 50% o risco de desenvolver o câncer.

17. Existe alguma relação entre alimentação e câncer?

Sim, existe. Alguns alimentos quando consumidos regularmente e por longo período de tempo fornecem melhores condições para a célula cancerosa se desenvolver e multiplicar: carnes vermelhas, frituras, maionese, leite e derivados integrais, bacon, presunto, salsicha, linguiça, mortadela, etc., alimentos ricos em gordura. Outros alimentos apresentam efeito redutor de risco, são eles: soja em grãos e seus derivados, alimentos ricos em ômega-3 (linhaça e nozes, por exemplo) e em licopeno (mamão, tomate).

18. Faço o autoexame frequentemente e nunca achei nada de diferente, preciso fazer a mamografia mesmo assim?

Sim. O autoexame é muito importante para conhecer a própria mama e assim notar qualquer alteração visível ou palpável, mas não substitui a mamografia. O exame mamográfico é capaz de detectar tumores não palpáveis, isto é, tumores em estágios bem iniciais, o que é essencial para se ter melhores chances de cura.

19. Qual o melhor exame para diagnosticar o câncer de mama?

O melhor exame para o diagnóstico de câncer de mama é a mamografia bilateral. A Sociedade Brasileira de Mastologia recomenda que esse exame seja iniciado a partir dos 40 ano com frequência anual. Em pacientes de alto risco esse exame deve ser iniciado a partir dos 35 anos e a ressonância nuclear magnética pode ser uma boa opção. Em mulheres com mamas densas a ultrassonografia deve ser associada à mamografia digital.

20. Como é o exame de mamografia? Com que idade devo começar a fazer?

O exame de mamografia é realizado por um aparelho de raio X que comprime as mama para a visualização das estruturas internas da mama. Normalmente são feitas duas radiografias de cada mama, podendo ser necessárias outras dependendo do caso. A compressão pode ser desconfortável, por isso evite fazê-la no período pré-menstrual, fase em que a mama está muito sensível e dolorida.

21. Quem tem prótese de silicone pode fazer mamografia? Não existe perigo de estourá-las? Dói mais?

Sim, a mamografia pode e deve ser feita por mulheres com prótese de silicone com a mesma frequência que as mulheres sem prótese. Não há risco de estourá-las ou deslocá-las com a realização do exame. Para que o exame seja bem feito é necessário informar ao técnico sobre a presença da prótese para que este possa realizar manobras com o objetivo de posicionar melhor a glândula mamária para a radiografia. Mulheres com ou sem prótese de silicone podem sentir desconforto na hora do exame, a presença da prótese não altera a sensibilidade ao exame.

22. Tenho 28 anos e descobri um câncer de mama. Vou poder engravidar? Depois de quanto tempo?

Depende. Vários fatores interferem na possibilidade de gravidez após o diagnóstico de um câncer de mama.
Cânceres diagnosticados em fase inicial apresentam menor risco de causar infertilidade na mulher.
Quanto mais jovens, menores os riscos de infertilidade após tratamento. Mulheres diagnosticadas a partir dos 34 anos que necessitem de quimioterapia em geral entram em menopausa após o tratamento, por isso, para essas mulheres pode ser recomendada a preservação de tecido ovariano, de embriões ou óvulos.
Os tratamentos muitas vezes são incompatíveis com a gravidez, por isso não é recomendado engravidar durante esse período. Em geral, passados 2 a 3 anos do término do tratamento e com a doença sob controle, pode-se liberar uma gestação. Mulheres com indicação de uso de tamoxifeno só poderão engravidar após o término do uso, ou seja, após 5 anos.

23. Existe algum alimento que eu não posso comer durante a quimioterapia?

Como em qualquer fase da vida o importante é comer bem e de forma saudável. Quanto mais colorido o prato, mais nutrientes e vitaminas ele terá e de forma balanceada.
Deve-se evitar frituras, doces em excesso, alimentos muito ácidos e salgados, pois causam maior intolerância do estômago e piora dos efeitos colaterais de uma quimioterapia.
Evite longos períodos em jejum, prefira refeições menores mais vezes ao dia.
Todas essas medidas diminuem os efeitos ruins da quimioterapia.

24. Por que a quimioterapia causa queda do cabelo? É definitivo ou ele volta a crescer?

A quimioterapia causa a morte de células em todo o corpo, principalmente daquelas que se multiplicam rapidamente, como é o caso das células do bulbo capilar- formadores do cabelo. Nem todos os medicamentos quimioterápicos causam queda do cabelo, e a indicação do medicamento não depende desse fator.
Em geral, os cabelos começam a cair 15 a 20 dias após a primeira dose do quimioterápico e voltam a crescer 1 a 2 meses após o término da quimioterapia.
Durante esse intervalo, muitas mulheres optam pelo uso de perucas ou lenços, o que pode contribuir para uma melhor autoestima e tolerância ao tratamento. Assim que o cabelo voltar a crescer, pode-se realizar qualquer tipo de tratamento neles, inclusive pintura.

25. Posso ter uma vida sexual ativa durante o tratamento do câncer de mama?

Sim, isso é possível. Porém deve-se levar em conta que os possíveis efeitos adversos do tratamento (cirurgia, queda do cabelo, cansaço) trazem angústia e medo e consequentemente a diminuição da libido da mulher. Tais sentimentos também são compartilhados pelo parceiro e isso pode contribuir para uma possível disfunção da atividade sexual do casal. Além disso, é de suma importância prevenir a gravidez nessa fase.  Nesses casos, o importante é procurar ajuda para que essa situação possa se resolver de forma mais eficiente.

Conteúdo elaborado por:

Dr. Fernando Pontes
Mastologista e Coordenador Científico do Instituto Se Toque.
CRM-SP 134.871

Graduação em medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Santos, SP;
Especialização em Cirurgia Geral pela Beneficência Portuguesa, São Paulo, SP;
Especialização em Mastologia pela Santa Casa de São Paulo, SP;
Membro da Sociedade Brasileira de Mastologia.

Tem alguma dúvida? Conte para nós!

  • Sexo: M F